O consumo pautado pelo mercado de microinfluenciadores

Mais próximos de seus seguidores, microinfluenciadores podem ser grandes aliados na hora de expor o produto para um público específico

Os influenciadores se tornaram, definitivamente, figuras essenciais para o mercado de varejo. O motivo? Eles movimentam o cenário ao popularizarem os produtos sobre os quais fazem propaganda. Geralmente, eles têm uma base enorme de seguidores nas redes sociais e propagam seus gostos para um público majoritariamente jovem e ávido por consumir o que está na moda.

Mas nem só de grandes nomes e números se faz o chamado “marketing de influência”. Conhecidos como microinfluenciadores, os criadores de conteúdo que possuem uma base de seguidores mais modesta mas igualmente (ou até mais) engajada revela-se como uma alternativa para empresas com orçamentos mais enxutos.

De que maneira se relacionar de microinfluenciadores?

Antes de contratar um microinfluenciador, é preciso criar um relacionamento com ele. A marca precisa se aproximar e formar laços profissionais mais profundo e não simplesmente já ir chamando o produtor de conteúdo para fazer alguma ação. Algumas dicas para iniciar a conversa:

  • Conheça os influenciadores: o ideal é que cada marca pesquise e veja se realmente aquele perfil se encaixa no que a empresa procura. Não faria bem para a imagem de uma empresa de carnes, por exemplo, decidir trabalhar com microinfluenciador vegetariano;
  • Incluir o nome deste microinfluenciador na lista de envios de produtos é uma boa forma de apresentar a loja;
  • Deixe a relação menos distante: após a pesquisa e seleção, vale chamá-lo para conhecer a empresa e ver como tudo funciona. Esta ocasião serve para estreitar os laços;
  • Respeito é essencial: em todas as interações, o respeito pelo trabalho do outro é fundamental. Em todas as etapas, é preciso que expectativas sejam claras e as dúvidas discutidas.

Por que apostar nos microinfluenciadores?

Para quem não tem uma verba muito alta para investir em influenciadores famosos, recorrer aos microinfluenciadores é até mais eficiente para a estratégia comercial. Eles possuem uma base de seguidores menor, o que os torna mais próximos do público-alvo. Além disso, eles costumam abordar assuntos de nicho – são mais específicos e menos generalistas. E, ao mesmo tempo que estimulam o consumo e ajudam a ditar tendências.

Um estudo realizado emparceria entre Youpix, GfK e Aistrip mostra a relação entre a base de fãs e o nível de envolvimento gerado por esses criadores de conteúdo. Quando se tem, entre 400 e 500 seguidores, o engajamento corresponde a 7,8% da base. Já o que estão na casa dos 1.000 seguidores engajam 3,4%. Para os grandes influenciadores com até 1,1 milhão, 1,8% da base é engajada.

Então, se uma loja vende artigos esportivos, por exemplo, e precisa alavancar as vendas em determinada região; vale pesquisar sobre os microinfluenciadores do local que falam a respeito do assunto. Eles são eficazes ao colocarem os produtos em evidência.

Eles são uma importante ferramenta de conhecimento. O que quer dizer que impactam o consumidor no começo de sua jornada e potencializam a geração de leads. Além disso, atuam como fios condutores que ajudam os clientes a darem o primeiro passo em direção a determinado produto ou loja, seja ela física ou online.

Como incluir microinfluenciadores na minha estratégia de marketing?

Se você quer potencializar a viabilidade da sua marca utilizando a influência destes produtores de conteúdo em suas respectivas audiências, comece mapeando os nomes que falam sobre o segmento que se insere seu portfólio de produtos – é possível mapear fazendo uma busca pela internet ou usar ferramentas próprias que ajudam na coleta dessas informações, como Stilingue e Hubble. Há uma lista em que se pode encontrar os melhores microinfluenciadores de 2018. Como falamos, não se apegue tanto ao número de seguidores, mas sim a quantidade e a qualidade das interações.

Com essa lista em mãos você terá mais facilidade de acompanhar nomes que, eventualmente, tenham afinidade com a sua marca e contatá-los para ações. A dica é apostar em projetos de longo prazo e custo reduzido. Criando, de fato, um vínculo entre o seu negócio e o microinfluenciador escolhido.

Crie junto

Na hora de formatar a ação e pensar o conteúdo, traga o microinfluenciador para trabalhar junto com você. Afinal, você é a pessoa que mais conhece o seu negócio, mas ele tem maior domínio sobre a linguagem e assuntos que agradam seu público-alvo.

Levando em conta essas dicas, você aproveitará as oportunidades criadas por este mercado e poderá impulsionar as suas vendas.

Ainda não faz parte do Mercado Livre? Cadastre-se!