Desenhando organizações criativas

O exercício colaborativo da criatividade ajuda empresas e marcas a saírem de sua zona de conforto e se destacarem em relação à concorrência

Mercado Livre Experience 2018_Assinatura

Justin Ferrel, professor de design thinking no Instituto de Design, da Universidade de Stanford, conduziu a palestra “Desenhando organizações criativas” durante o evento Mercado Livre Experience 2018. Segundo o especialista, “criatividade é como se fosse um músculo que precisa ser treinado”. Ele aconselha, ainda, que mesmo que a expertise sobre determinada área de negócio seja vasta, ela não pode limitar a criatividade.

Mas, afinal, o que é design thinking?

É importante deixar claro de que não é uma metodologia e sim, uma abordagem adaptada do campo do design para as empresas. Trata-se de uma visão que busca a solução dos problemas de maneira criativa e colaborativa. E, mais um vez, o foco da criação são as pessoas: especialmente os consumidores, além de quem participa do processo criativo.

Um bom exemplo seria o desenvolvimento de um logo para uma loja virtual. O logotipo é a peça-chave da comunicação visual de uma marca e sua criação precisa de pesquisa e de compartilhamento de ideias, essência do design thinking. O processo de debater sugestões, mapear possíveis caminhos a serem seguidos e mesclar visões de mundo de cada indivíduo torna o trabalho mais rico. É possível resumir, em etapas, o processo de criação:

Encontrando a oportunidade de inovação

Além de estudar o próprio negócio, identificando pontos fortes, o empreendedor deve analisar a concorrência – atentando para as fragilidades. É preciso ter conhecimento de condições macroeconômicas e realizar pesquisas de mercado e de comportamento.

Desenvolvendo a oportunidade de inovação

É nesta etapa que a abordagem sai do campo das ideias e começa a se tornar realidade. Com os dados obtidos devido às ações da primeira etapa – pesquisas de comportamento, troca de ideias e estudos de mercado – , os próximos passos são delineados. No caso do exemplo, seria iniciar o desenho do logo.

Testando as ideias

Para este passo, vale apresentar um rascunho do que se imaginou para a logotipo: é uma maneira eficaz de testar como será o impacto no consumidor final. É aconselhável chamar quem não fez parte do processo criativo e, assim, ter um olhar de fora.

Lançando o projeto

Depois de pesquisas, debates, trocas de ideias e testes, chegou o momento de lançar o projeto e revelar o logo para os consumidores. É interessante ficar atento aos possíveis feedbacks dos clientes já que há meios de incluir os compradores nas decisões – por meio de uma enquete online, por exemplo-, e, assim, analisar se vale realizar alguns ajustes. A interatividade pode gerar bons frutos.

O design thinking é uma ótima ferramenta e permite que as pessoas enxerguem novos caminhos e soluções para facilitar a vida do consumidor, e integrar mais o time de uma empresa. A inovação nem sempre é uma experiência confortável, mas vale cada momento de esforço e de questionamento para atingir resultados criativos e surpreendentes.

Ainda não faz parte do Mercado Livre? Cadastre-se!